Intolerância a Frutose

30/08/2018

A frutose é um importante carboidrato encontrado no organismo humano e na maioria das plantas, tendo sido isolada pela primeira vez em 1847, a partir da cana-de-açúcar. Como componente de frutas e outros vegetais, é ingerida regularmente com a dieta. Também é sintetizada no organismo a partir da glicose.
A ingestão de frutose no Brasil não está bem estabelecida. Estima-se um consumo médio de cerca de 4,34g/dia de frutose livre, originária de frutas, doces, hortaliças e outros vegetais. A quantidade de frutose provinda da sacarose é de aproximadamente 27,5g/dia.
A frutose é mais conhecida por erros inatos associados ao seu metabolismo que podem ter consequências clínicas importantes e também como possível substituta da glicose na dieta dos diabéticos. Entretanto, seus efeitos metabólicos, principalmente os relacionados ao metabolismo lipídico e toda uma rede de metabólitos, são bem menos divulgados. Considerando que, nos últimos anos, especialmente em países desenvolvidos, a ingestão de frutose vem aumentando acentuadamente, em decorrência do maior consumo de produtos industrializados contendo frutose e sorbitol como adoçantes, é importante conhecer seus aspectos metabólicos, bem como os efeitos associados ao seu uso inadequado.
A intolerância hereditária à frutose tem como defeito enzimático primário a ausência aldolase B, responsável pela clivagem da frutose-1-fosfato. As manifestações dependem da introdução de alimentos que contenham frutose. Nas crianças amamentadas exclusivamente ao seio materno, a sintomatologia inicia-se quando a criança passa a receber alimentos com frutose, o que ocorre normalmente por volta do sexto mês de vida. A criança apresenta náuseas, vômitos e hipoglicemia após a ingestão de alimentos com sacarose ou frutose, geralmente suco de laranja. As crianças com intolerância hereditária à frutose que sobrevivem até os seis primeiros meses de vida têm prognóstico melhor, uma vez que nessa idade tendem a recusar alimentos que contenham frutose.
O diagnóstico deve ser suspeitado em crianças que apresentam vômitos sem causa aparente. A investigação diagnóstica inclui a pesquisa de frutose na urina, dosagem de fosfato inorgânico sérico e de glicose sanguínea após a ingestão de substâncias contendo frutose. O teste de tolerância à frutose, que provocará hipoglicemia, queda acentuada e prolongada no fosfato inorgânico plasmático, alterações urinárias com aumento do pH urinário e excreção de fosfato nos pacientes com intolerância hereditária à frutose. Essas alterações são reversíveis após o teste. Um aspecto interessante é que pacientes adultos com intolerância hereditária à frutose não apresentam cárie dentária.
Fonte: Fructose in humans: metabolic effects, clinical utilization, and associated inherent errors

Novidades | Informações

13/02/2019 | Higiene bucal
07/02/2019 | Idade paterna avançada impacta na saúde do bebê, diz estudo
28/01/2019 | Por que doenças controladas estão ressurgindo no século 21
24/01/2019 | Asma atinge mais de 6 milhões de brasileiros
22/01/2019 | Dica
17/01/2019 | Estudo liga infecções pelo vírus da herpes com o mal de Alzheimer
14/01/2019 | Fique atento aos primeiros sinais de leucemia infantil
10/01/2019 | Toxoplasmose
07/01/2019 | Deixe o canudo de lado
18/12/2018 | Vinhos